Medo Infantil

É natural e esperado que as crianças o tenham

Assim como nós, as crianças também tem diversos medos, em muitos casos, para nós as vezes esses medos que eles sentem não fazem muito sentido. Os medos infantis podem se manifestar de formas diferentes e vão mudando conforme a idade e está ligada com a imaginação delas,  por isso, aparecem e desaparecem sem algum motivo aparente.
A melhor forma de lidar com o medo na infância é com naturalidade, ainda que o medo seja imaginário, o sentimento que ele provoca é muito real. Por ser algo xomum da idade, temos que tratar o medo infantil como algo natural, mas não significa ignorá-lo.
Medo Infantil
As situações mais comuns são:
  • medo de ficar sozinho no quarto;
  • medo do escuro;
  • medo de animais;
  • medo de o pai ou a mãe morrer ou ir embora e não voltar nunca mais;
  • medo de monstros e fantasmas.
O que devemos fazer?
Nós pais (ou responsáveis) devemos escutar a criança, ver o contexto em que se insere esse medo e ajudá-la a sair da fantasia para superar os medos.

O que não devemos fazer?
Existem algumas posturas que devemos evitar, tais como:

  • repreender a criança por manifestar o medo;
  • obrigar a criança a passar por uma situação de ridículo;
  • pressionar para enfrentar uma determinada situação, sem que ela esteja preparada para isso;
  • assumir uma postura super protetora.
O diálogo é sempre o melhor remédio e, em casos de situações mais complexas, o encaminhamento a um psicólogo especializado em infância é o mais indicado.

De um tempo para cá, o Gui começou a demonstrar um medo, insegurança que antes não tinha mostrado, não quer ficar sozinho mais na sala, ir ao banheiro, ir até o quarto ou outro comodo pegar alguma coisa, isso está assim seja durante o dia ou a noite. Sentamos com ele e perguntamos o que aconteceu (se aconteceu algo), mostramos que não tem problema nenhum mesmo indo para outro comodo da casa sem a mãe ou pai pois estamos perto e qualquer coisa é só chamar que um de nós dois iremos até ele, explicamos que o que tem no local durante dia terá a noite também, a diferença é a claridade (ou falta dela) e o silêncio. O pai também falou que é normal não querer ficar sozinho no local, e que não precisa ter medo, e que ficar com alguém é melhor que ele também gosta, porém as vezes é preciso ficar um pouco ou ir até o lugar sozinho. Mas não estamos forçando ele a ficar ou ir sozinho, estamos indo com ele e aos poucos vamos nos retirando (isso mais eu pois fico com ele a maior parte do dia, já que o pai trabalha fora e só fica a noite com a gente), então quando vou limpar os quartos e ele sobe comigo, fica me esperando no meu quarto, pego brinquedos para ele, ligo música e vou explicando que preciso ir no quintal buscar alguma coisa que esqueci, ou não consegui levar tudo de uma vez e conforme vou me distanciando vou conversando com ele, para não ter aquela sensação de ter sido abandonado, e vou limpando e conversando com ele, falando o que to fazendo, e ele me contando o que ele está fazendo.

Medo das crianças de acordo com a idade

Conversando com algumas mamães que passaram ou estão passando por isso, percebemos o quanto isso é mais comum do que imaginamos, e trouxe aqui relato de algumas para sabermos como foi feito na situação de cada uma.

Camila do blog "Baú de Menino", mãe do Daniel de 5 anos
"É só chegar a noite que os medos aparecem junto... É para ir no banheiro, pegar água na cozinha, ou mesmo para assistir TV, ele quer companhia. Tudo por causa do medo dos monstros.
Agora também deu para ficar com medo de esquecerem dele, na escola, em casa... esse ano chorou duas vezes na escola achado que a professora o havia esquecido.
Acho que é natural da idade, mas tento ao máximo encorajá-lo e respeitar esse momento que é dele, e que a maioria das crianças vivem."
Ela também já contou no blog dela sobre "Medo de Monstros"

Edilene do blog "Etc e Mãe", mãe do Théo de 4 anos.
"Meu filho do meio, o Théo, tem uma natureza um pouco mais medrosa. Percebia isto em brinquedos, piscinas, bicicletas, e com uns 3 anos começou a ter medo do escuro. Não vai em lugares escuros sozinho, nem dorme sem a luz do corredor acesa e porta aberta. Converso muito com ele e até já comprei um livro infantil que falava do medo do escuro, mas, por enquanto, não mudou. Quero crer que seja uma fase e que, transmitindo segurança a ele, logo passe.

Sabrina do blog "Mamãe em Construção", mãe da Maria Luiza de 4 anos.
"A Maria Luísa começou a ter medos com mais ou menos 1 ano e meio, antes disso não tinha medo de nada e nem de ninguém.
Primeiro apareceram os medos de pessoas fantasiadas, depois veio o de lugares escuros, mas isso aos poucos foi passando.
No começo deste ano é que começou um medo que não sabemos do que é, apenas ela diz que tem medo. Pode ser de uma cena mais violenta da televisão, de ficar sozinha no quarto ou de qualquer outra coisa.
O medo começou depois das férias de verão. Durante as férias de verão ela primeiro foi conosco visitar os avós paternos e viu o meu sogro muito doente e tendo que ser hospitalizado. Depois fomos para a casa da minha mãe na praia.
Como o período de férias escolares é maior que período de férias do trabalho, meu marido tinha que vir durante a semana para nossa casa e nos finais de semana nos encontrava na praia. Isso já fez com que sentíssemos ela um pouco diferente.
Voltamos todos para casa na terça-feira de carnaval e fizemos a tão esperada e já tardia troca do berço para a cama, mas na sexta, meu sogro veio a falecer, minha mãe teve que vir correndo para ficar com ela e nós tivemos que viajar as pressas.
E assim começou o medo de dormir sozinha no quarto.
O ano passado ela era ótima, contávamos historinha para ela dormir, nos dava boa noite e podíamos sair do quarto que ela dormia sozinha. Depois de tudo que aconteceu, ela já não consegue mais pegar no sono sozinha e quando acorda no meio da noite não consegue voltar a dormir. Já tentamos luz, ver se era frio ou calor e ainda nada.
Também aumentaram os medos de qualquer coisa na rua, sem explicação, apenas com medo. Fico na dúvida se é fase ou se foi algo que ela tenha passado."

A Débora já falou no blog dela também como Lidar Com o Medo Infantil

E por ai estão passando por essa fase do medo, ou já tiveram e o que fizeram, iremos adorar saber.


Comentários
5 Comentários

5 Comentários

  1. Ótimo texto porque o medo é algo muito comum na infância e se repreendida a criança pode desenvolver outros problemas. Devemos ter atenção e paciência. Bjs

    ResponderExcluir
  2. Ótimo texto porque as crianças normalmente tem medo mesmo. Cabe a nós conversarmos e termos paciência. Bjs

    ResponderExcluir
  3. Gosto muito desse tema.
    Os medos podem ir e ir, dependendo das vivencias da criança.
    Na ficha de entrevista da escola tenho esse questionamento muito presente com os pais.

    ResponderExcluir
  4. Adorei o post Mi! Serginho tem falado bastante que está com medo de ir a um cômodo sozinho ou que tem medo do lobo. Confesso que eu não estava dando muita bola, mas lendo seu post percebi que preciso dar mais atenção e conversar com ele sobre isso.... Beijos, Fabi

    ResponderExcluir
  5. Eu adorei o post!!! E com o meu depoimento, vi que mais mães passam por isso também. Beijos.

    ResponderExcluir